(11) 4023-1145 (11) 94954-9145 contato@clinicaspavanatto.com.br
(11) 4023-1145 (11) 94954-9145 contato@clinicaspavanatto.com.br

Codependência: entenda o que é e sua relação com a dependência química

Codependência

Em nosso site e também agora em nossas redes sociais sempre estamos falando da dependência química e de assuntos relacionados à ela. Mas um assunto que ainda não falamos, pelo menos não de forma mais abrangente é a codependência. Pois bem, chegou o momento de falarmos dela! Continue lendo.

Como já falamos aqui algumas vezes, a dependência química é uma doença, mas também é um problema que vai além disso. Ela causa diversos problemas ao próprio usuário de drogas, afetando não apenas sua saúde física e mental, mas também atrapalha outros aspectos da vida como o social, por exemplo.

E além de prejudicar o dependente químico, também pode afetar outras pessoas que fazem parte de seu convívio, principalmente a família. E aí que a codependência entra na história.

A codependência ainda não possui uma definição concreta do que ela realmente é. Ela é um termo recente na terapia. Alguns a chamam de transtorno, outros de doença, mas independentemente de sua definição, ela existe e é mais comum entre as pessoas do que imaginamos.

Em muitas situações, quando as letras “C” e “O” juntas formando a sílaba “CO” aparecem antes de alguma palavra, dão a entender que estão interligadas com a palavra que vem logo depois delas. Por exemplo: copiloto. É aquela pessoa que está interligada com o piloto e compartilha de suas funções e ações. No caso da dependência, a situação é a mesma, a dependência química acaba por afetar uma outra pessoa mais próxima, geralmente um familiar (pai, mãe, cônjuge, etc.)

Como a codependência age?

Como a codependência age

Analisando um cenário onde um membro de uma família se torna dependente químico, um codependente, antes de se tornar de fato codependente tende a ignorar o problema em sua família. Por exemplo, mesmo com alguns vestígios de que algo está errado com o familiar (mudança de comportamento é um deles) pode ocorrer uma negação. Fingir que não sabe, ignorar, para evitar maiores problemas.

Até que chega o momento onde não há mais possibilidades de ignorar. E após aceitar que este familiar faz uso de drogas e vencer mais uma barreira para procurar ajuda, esta pessoa ainda é confrontada com a ideia de que ela é parte do problema, ela retroalimenta essa relação disfuncional em que se instalou o abuso de drogas ou a dependência química.

Uma das principais características da codependência é o controle. Após a aceitação, sem ainda saber como lidar com a situação de forma adequada, a família acredita que deve controlar, que poderá mudar a situação desta forma. Cada vez mais sem controle da situação, a família mantém a ilusão do controle sobre o uso e fica obcecada pelo comportamento de seu familiar.

Quando isso acontece e o familiar fica obcecado em controlar o comportamento do outro, ele se afasta cada vez mais de si mesmo, deixando de lado o controle de sua própria vida, perdendo aspectos de sua identidade, ficando cada vez mais mergulhado num universo fora de si, rejeitando tudo aquilo que é seu, que precisaria ser visto, cuidado, amado. Ele se autoabandona. Daí então o termo codependência. O familiar se torna codependente do outro.

Mas tanto dependência química quanto codependência possuem tratamento e você pode saber mais a respeito entrando em contato com as Clínicas Pavanatto. Estamos à sua disposição!